Como o UX e o CRO aumentam os resultados do e-commerce?

Como o UX e o CRO aumentam os resultados do e-commerce?

Melhorar continuamente a experiência de usuários em sites aumenta as chances deles voltarem e ainda trazer outras pessoas. Por causa disso, o investimento em UX é tão necessário, pelo fato de promover, entre outras coisas, uma navegação fácil e intuitiva. 

Além disso, à medida que se aprimora a navegação em um site, é possível obter fidelização do cliente e diferencial competitivo. Continue a leitura até o final para entender melhor como o uso conjunto de UX e CRO (otimização da taxa de conversão) ajudará o seu e-commerce a vender mais!

Qual a finalidade do UX?

Na prática, os consumidores realizam uma jornada no site. Este processo costuma ter começo, meio e fim, correspondendo, respectivamente, às fases de prospecção, conscientização e decisão. Em outras palavras, conforme o usuário visita o site, o objetivo é guiá-lo até o fechamento de um negócio, sendo o UX um dos principais meios para isso. 

Estamos diante de um público cada vez mais conectado e imediatista. Por consequência, isso impacta diretamente a forma de se projetar um site de e-commerce, de modo a facilitar a navegação do usuário. Algumas características do UX nesse sentido são:

  • carregamento rápido das páginas;
  • layout enxuto e agradável visualmente, o que envolve uma harmonia entre as cores adotadas;
  • botões e links;
  • opções de acessibilidade para qualquer pessoa conseguir navegar no site.

Como o CRO busca aumentar as conversões em um site?

Inicialmente, precisamos considerar que uma conversão nem sempre significa uma venda. Em uma estratégia de CRO, a ideia é a mesma do UX: guiar um visitante ao longo da jornada até transformá-lo em um cliente fiel. Nesse sentido, a conversão pode ser, por exemplo, baixar algum conteúdo gratuito ou permitir que o site envie notificações e informes via e-mail.

Em um site, o CRO costuma começar pela coleta de dados. Significa mapear os possíveis caminhos dos usuários ao longo da loja virtual, de modo a encontrar qualquer impeditivo ao aumento de conversão, inclusive aspectos de UX. 

Via de regra, os dados exigem monitoramento constante. Uma das formas de acompanhar e melhorar o CRO é verificando quais páginas carregam rapidamente ou não, bem como a interação dos usuários com botões e demais itens de menu.

Outro ponto crucial do CRO são os testes. Nem sempre o usuário deixa de navegar com fluidez por uma demora no carregamento das páginas: uma simples configuração de cor em um menu, por exemplo, já pode trazer números mais positivos de conversão na loja virtual. Neste caso, realizar testes A/B é uma excelente aposta, onde durante o mesmo período podemos apresentar para X% dos usuários a versão original da página/ elemento (controle) e para outros Y% dos usuários a mesma página/elemento só que com a alteração proposta (variação).

O objetivo do Teste A/B é entender qual das versões tem um resultado maior nas métricas configuradas, que podem ser interações com elementos, engajamento com a página, exibição, conversão, etc. Se a versão variante for vencedora, as alterações propostas são aplicadas no site, proporcionando melhoras nos dados.

Serviço de otimização de conversão (CRO)

Se a versão controle (ou original) ainda for considerada melhor, mantemos sem a alteração, porém sem baixas de dados, o que poderia acontecer se a alteração fosse aplicada direto sem a realização do teste.

Na Corebiz, trabalhamos com a evolução do e-commerce por meio de testes, especialmente focados em microinterações dos usuários.

Por que sites devem estar em constante evolução?

Antes de ficar disponível na internet, os sites são submetidos a diversos testes. No entanto, com o passar do tempo, bugs sempre podem acontecer, e uma vez encontrados, eles prejudicam a experiência dos usuários, aumentando o risco de diminuir as conversões. 

Outro ponto que justifica a constante evolução dos sites é a mudança no comportamento dos usuários. Com tantas pessoas conectadas — principalmente em dispositivos móveis — é normal esperar que estas queiram experiências cada vez mais interativas e imersivas. Junta-se a isso o nascimento e a morte constante de tendências, fato este causado em grande parte pela transformação digital.

Como o uso conjunto do UX e CRO pode ser feito?

Falando sobre o processo de compra, é crucial que ele seja claro, rápido, intuitivo e fluido. Conforme explicaremos com mais detalhes, o uso conjunto de UX e CRO pode ser feito por testes, de modo a contemplar todos os elementos do site, inclusive o design. Em relação a este, a ideia é mostrar que os profissionais dessa área também podem se beneficiar dos dados na hora de executar os projetos dos clientes.

A agilidade na hora de aprimorar a experiência de navegação dos usuários é diretamente proporcional aos dados obtidos. Dado o contexto, o uso conjunto de UX e CRO permite uma testagem de hipóteses bastante efetiva, em meio à quantidade relevante de dados a serem analisados.

Tudo isso ajuda a tornar o profissional de design um data driven, que significa algo como guiado ou conduzido por dados. Para exemplificar, suponha que uma página aparentemente agradável em termos de navegação esteja em queda no número de pessoas que acessa a área de checkout. Uma vez identificada a métrica responsável por esse número específico, o designer de UX terá a expertise de direcionar os seus esforços e ajustar o problema.

Vale ressaltar que quando um profissional de experiência do usuário recebe dados analíticos, a leitura e compreensão dos dados pode ser diferente da de um analista de dados, porque sempre irá associar a entender e resolver o problema com base em UX e suas práticas.

Em relação ao processo de User Experience dentro de CRO podemos descrevê-lo em quatro etapas. São elas:

  1. Descoberta: envolve análise de experiência, teste de usabilidade, mapa de calor e gravações de sessões;
  2. Validação: etapa feita junto ao cliente, envolvendo apresentação, debate e aprovação do projeto;
  3. Design: nesta etapa são concebidos os protótipos e interfaces de usuário, que requerem validação dos clientes;
  4. Teste: consiste na implementação e nos feedbacks.

O CRO (conversion rate optimization) e o UX (user experience), quando implementados, tornam a experiência dos usuários cada vez melhor e, principalmente, trazem receita ao e-commerce. Portanto, um não deve ser dissociado do outro na elaboração de estratégias, sendo crucial o monitoramento constante de métricas e a expertise dos profissionais de design em usar os dados a seu favor.
Gostou do conteúdo? Então aproveite para visitar a nossa página, onde mostramos como ajudamos o seu e-commerce a performar melhor por meio do CRO!

Escrito por:
Flavia Macedo, UI/UX Designer (CRO)
at Corebiz